Omnichannel e Self Checkout

Sai do caixa você também. Vem!

 

A virada tecnológica ocorrida nos últimos vinte anos não se reflete apenas na forma que nos comunicamos e interagimos social e profissionalmente. O impacto real é muito maior que isso. A tecnologia atinge nosso bem mais precioso: o tempo.
Hoje temos muitas facilidades, desde não precisar ir até o correio para enviar uma mensagem até realizar nossas reuniões de trabalho online, sem termos que enfrentar o trânsito até o escritório.

 

Isso tudo é bom! Mas por outro lado, gera uma expectativa por retornos muito mais rápidos em demandas que vão desde uma pauta de reunião, até uma simples troca de mensagens entre namorados(as). Com isso, sempre nossas coisas demandam muito mais do nosso tempo.

Resumindo, hoje temos menos tempo para TUDO! E vence no mercado quem está apto a inovar e simplificar a experiência do consumidor.

 

Acompanhar as tendências do trade marketing no Brasil e no mundo é a base para quem está buscando aprimorar esta experiência. Para quem não acreditava que o futuro já chegou, existem dois conceitos que já estão revolucionando o mercado de trade.

 

O primeiro deles, é o omnichannel. Omni what? Deixa que a gente te explica!

Ele representa a integração efetiva entre todos os canais de comunicação e venda de uma empresa de varejo. Esse conceito oferece ao consumidor uma experiência diferenciada, onde o online e offline se unem em torno dele. Na verdade ele não é uma criação, e sim uma evolução de suas versões anteriores. Nos primórdios do varejo, encontrávamos em prevalência o single channel, que se resumia simplesmente à única opção de compra numa loja física. Depois de um tempo, ele foi ampliado ampliado para dois conceitos que se complementam, o multi channel, onde lojas online e canais de comunicação levavam a mensagem ao consumidor, e o cross channel, que cruzava as informações de todos os canais para um melhor desempenho. Ambos se mostraram eficientes por muito tempo. Até que o omnichannel chegou para convergir todos seus antecessores em uma solução ampla que proporciona experiências que quebram o paradigma criado entre online e offline.

 

Esta significante evolução é um reflexo do perfil de consumo atual, onde encontramos clientes cada vez mais conectados e interessados na relação custo-benefício antes de adquirir um produto. Se acessarmos a ferramenta Google Trends, onde podemos pesquisar os termos mais usados na famosa ferramenta de busca, iremos notar que perguntas como “Tal produto é bom? Tal produto vale a pena? Posso confiar na qualidade?” são exaustivamente utilizadas pelos usuários.

No Brasil, ainda estamos evoluindo com esse modelo. Como diz André Romero, diretor da Red Lemon Agency:À medida que o consumidor vai mudando, o varejo se adequa a ele, incrementando novidades no âmbito do marketing, vendas e comunicação.”
A cultura de compra evoluiu, meus caros. E nós que vendemos, precisamos evoluir junto!


Quer maior prova que o futuro já começou do que o segundo conceito que citamos no começo deste texto? Abram alas, ou melhor, filas para o self checkout passar.
Os consumidores estão cada vez mais entusiasmados com a possibilidade de fazer suas compras, sem a necessidade de pegar filas e esperar o troco. Basta entrar na loja, colocar suas compras em uma sacola, e pronto! As compras já foram automaticamente debitadas do seu cartão de crédito, cadastrado em um aplicativo da loja.

 

Este modelo reduz em até 30% o tempo de atendimento e gera redução de custo operacional, transmitido para o cliente através do barateamento de produtos. Além disso, ele promove uma otimização de espaço e proporciona uma experiência mais imersiva, que não é quebrada pela sensação “negativa” de alguém cobrando você antes de ir embora.

Sabemos que muitos de vocês já ouviram falar no mercadinho da Amazon, lá na gringa. Mas você sabia que já chegou ao Brasil?

 

O Walmart Brasil está em fase de instalação de caixas de autoatendimento em hipermercados e supermercados. Nos próximos três meses, até cinco unidades receberão os terminais de self checkout. A previsão da rede é chegar a 100 terminais em operação até 2019. Os novos caixas fazem parte de um projeto de reinvenção de lojas que conta com investimento total de R$ 1,5 bilhão e será desenvolvido até 2020.

A primeira unidade do Walmart Brasil a receber a novidade foi o hipermercado no Tamboré, em Alphaville (SP), onde seis caixas de autoatendimento foram instalados. Depois de São Paulo, a empresa planeja levar os novos caixas para lojas de Curitiba, Porto Alegre, Recife e Salvador. Legal, né?

A consolidação do self checkout no Brasil talvez seja um pouco mais demorada que a do omnichannel, afinal exige uma tecnologia muito avançada em sistemas de segurança que ainda são inacessíveis para qualquer varejista. Além disso, temos aqui no nosso país uma barreira cultural que, de certa forma, assusta o varejista ao imaginar o seu cliente com a independência de simplesmente pegar e pagar pelo seu produto.

 

Ambos os conceitos que trouxemos aqui irão se consolidar um dia no Brasil. É uma questão de tempo. Conforme as coisas vão evoluindo, o comportamento de consumo vai junto. E cabe aos profissionais de comunicação, marketing, PDV, trade, adequarem suas mensagens para suprir a ausência de vendedores, que geralmente fazem a diferença nas compras.


Para acompanhar as empresas nessas mudanças cada vez mais rápidas e intensas, a Red Lemon está à disposição. Ajudamos a indústria ou o varejista a acompanhar o ritmo do exigente consumidor brasileiro, oferecendo imersão, novidade e personalização no resultado de suas vendas.

No Comments

Post a Comment